2 comentários:
De ME a 24 de Setembro de 2010 às 11:13
A competência continua a ser da assembleia municipal, mas sob proposta da câmara... ou seja, 1º a câmara aprova uma proposta que seguidamente submete à assembleia, para aprovação. Se não for aprovada pela assembleia não pode ser aplicada.
Já é assim há muitos muitos anos :)
De Jorge P. a 25 de Setembro de 2010 às 08:23
Explique lá bem essa! Ai para as comunidades ambicionarem qualquer obra ou evento de indole camarário têm que se sujeitar a aumentos desta ordem??? Curioso é que ao longo destes últimos anos o investimento e a atribuição de subsidios tem sido diâmetralmente oposta à subida dos impostos municipais, o que deita a sua teoria "por água abaixo"!
O JP Sousa esquece-se de algo, que penso que conhece bem, que são os sumidouros que existem na CMS: Excesso de funcionários - 7% ou 8% da população activa do concelho trabalha na câmara - um perfeito disparate!, gestão "voto a voto", ou seja, festas e festarolas que é isso que dá votos (rebenta com o orçamento mas não faz mal), etc... É para lá que vai o dinheirinho todo e nós, meu amigo, os IMI's podem ir para o dobro que vamos continuar a chuchar no dedo! A subida do IMI para aqueles que, por exemplo, andam a contar o dinheiro para conseguirem comprar os livros escolares aos filhos, para esses pode crer que faz mossa.

Comentar post